Não vai rolar

vínculos

[você pode ler esse texto ao som de onde estará o meu amor]

To sabendo, não vai rolar: formar a melhor equipe do semestre pra alcançar nota máxima em todos os trabalhos acadêmicos; entregar o relatório pendente e passar o serviço pra nova assistente; a viagem programada pra cidade que tem um Porto no nome; a publicação do projeto rabiscado com tantos sonhos; restaurar aquilo que um dia chamamos de relacionamento; te procurar depois de tantos foras cobertos de ironia que recebi; gostar da facilidade que você tem de desapegar.

Repito em voz alta que não vai rolar: ver coisas que você gosta e aos poucos montar um kit com presentes que jamais serão entregues; ir ao cinema e pensar se você já superou o medo dos filmes de terror; visitar o melhor restaurante da região e pedir a sobremesa que te fazia sorrir com os olhos; aprender um novo idioma e reviver as memórias da nossa última viagem, aquela em que nos

perdemos.

A lista de tudo que não vai rolar poderia ser mais extensa, não fosse a capacidade do meu coração se enganar e não desistir do que ama.

MF.

foto: @amandaoleander

Anúncios

Entrega

tumblr_ovindnPEgg1ug5ijno1_1280

[você pode ler esse texto ao som de all of me]

Os olhos do motoqueiro que passa na rua denunciam preocupação nessa manhã atordoada de sexta. De um modo impulsivo ele buzina pra chamar atenção da moça distraída com a sua música favorita nos fones de ouvido; ele alerta para os perigos cotidianos e pede que ela não dê bandeira ao mexer no celular na rua quase deserta. Sem esperar nada em troca, deixa o aviso e segue pra suas obrigações de entregador;

A moça guarda o aparelho, olha pro céu e agradece a proteção enviada de lá; sem perceber continua cantando a música que já tem decorada e sabe que dar bandeira, não é ficar exposta na rua quase deserta com o celular na mão, mas não conseguir esconder o sorriso que se forma ao ouvir o nome dele.

A sexta-feira quase assalto, quase exaustão, quase feriado trouxe como alívio a comida chinesa entregue de forma expressa, que continha uma sorte: “liga e diz que tem saudade.” Onde já se viu comida mandar recado, mas naquele dia, antes que ela pegasse o telefone, a campainha tocou e ele estava ali, materializado com um pedido de desculpas que a distância atrasou o envio. A conversa esfriou o jantar, mas não os corações.

Não sei você, mas agora só peço comida chinesa.

MF.

 

foto: https://jeancarlobarusso.tumblr.com/

C(oração)

neon

[você pode ler esse texto ao som de million reasons]

Fiz uma oração pra que você não corra nenhum perigo; fiz uma carta pra você lembrar que ainda mora em mim; fiz bolo de cenoura com cobertura de chocolate pra preencher as tardes de domingo; fiz de tudo pra você ficar.

Fiz um pedido pra uma estrela distraída; fiz graça, me vesti de palhaço tentando mudar o pranto em riso; fiz uma oração pra que você não se perca no caminho; fiz uma promessa e a quebrei mil vezes.

Fiz força pra não pensar em ti, tanta que quase me parti; fiz outra carta, mas você não leu; fiz uma viagem, novos amigos e até uma tatuagem; fiz mais do que pude pra manter nosso amor a salvo…

Fiz esse texto pra você saber que não consegui.

MF.

 

foto: Google

Quinta-feira faz saudade

esquecer

[você pode ler esse texto ao som de se tudo acaba]

Desde aquela terça-feira dei uma surtada: a atenção ficou desfocada e nem comento sobre as ideias, esse lance de decisão nunca foi meu forte. Não usei as palavras de forma arbitrária; a vontade de tentar existe desistiu, mas se não fosse por ela, hoje eu não estaria te escrevendo essa carta-confissão.

Quis afastar todo vento que trazia seu nome à minha cabeça e com ele a lembrança das conversas intermináveis que ficaram fantasmas pessoalmente. O alimento do ego se estendeu ao resto do corpo: faltou ar, o coração pulsou mais forte, causou calafrio e rubor, tudo à flor da pele. Reli as conversas buscando algo que fizesse sentido, mas só achei curiosidade reprimida; essa bagunça me custou; naquele recesso não encontrei ninguém que me ajudasse a colocar as coisas no lugar, pelo contrário, só uma despedida fria. Fiquei livre pra pensar sobre a veracidade da teoria do Desejo Egoísta; a paixão inesperada me cegou e não deu tempo aprender braile; entendi, por fim, que a condição imposta pela nova ótica deveria ser obedecida, assim como o fluxo que te ensinei a seguir;

Na noite da virada vi uma estrela cadente; sonhadora que sou, pedi pra ela levar esse sentimento que batia sem consentimento no meu peito, pois não havia ambiente favorável para sua sobrevivência. Fiz uma lista de metas a seguir com foco em cortar os vícios: café, chocolate, internet, você; comecei bem quando me afastei do mundo virtual e me desliguei, mas como tentação do deserto, aquele mesmo vento que trazia teu nome, trouxe você dando notícias em uma tarde ensolarada de Quinta. Acho que a estrela cadente perdeu o meu pedido; deu no jornal que os corações atormentados não têm muita sorte; logo agora que as noites já não pediam o uso do cobertor e eu dormia tranquila.

Nossa caixa de diálogos foi lacrada no final daquele mês que te levou pra longe e deixo para o tempo a responsabilidade de nos mostrar em braile, música, chamada de vídeo, e-mail ou bilhete o que significou nosso reencontro;

NOTA PARA NÃO ESQUECER:

Não quero te perder querer;

 

 

MF.

 

foto: Google

Um lugar à mesa

IMG_20190630_002447_669

[você pode ler esse texto ao som de always]

As lojas estavam em liquidação, aproveitei a boa sorte pra renovar o armário. Comprei vestido, sapato, bolsa combinando; fiz o cabelo, unha, sobrancelha e até depilação a laser; fui pra casa com o coração em festa desejando a noite e o verde dos teus olhos sobre mim; tomei banho, uma taça de vinho, conselho da melhor amiga, a maleta de maquiagem da irmã e um susto com o adiantar das horas, ansiava há muito tempo por nosso reencontro; a melhor calcinha, o sutiã como par, meia calça, cílios postiços, base, corretivo, pó, blush e o batom cor de beijo pra te impressionar; os brincos da joia mais bonita, perfume importado e uma prece pra nada dar errado; a campainha, o motorista, a reserva e meus olhos de espera quase devorando o cardápio; pontualidade nunca foi seu forte, mas você se superava a cada minuto de aflição e estômago roncando;

Combinamos o restaurante famoso entre as pessoas de sobrenome mais valioso que o próprio nome; o garçom me sugeria uma bebida pra esquentar o coração e eu recusava com a mão no celular, que não tocou; duas horas depois, ele não pediu licença e me trouxe uma dose do melhor escocês da casa – tomei com tanto gosto, quase um abraço – olhos de pena lançados em minha direção e me foi servida uma massa coberta de queijo que borbulhava, assim como a minha cabeça; fui perdendo o apetite, o brilho, a pose e afogando no copo todas as expectativas que riam de mim;

Voltei a pé pela rua vestida de sol, que acordava ao som dos pássaros de domingo; sua falta de decência me enterrou viva e o menor dos vermes teria uma dignidade maior que a minha; abri o portão gelado da noite, encontrei meu quarto com a alegria intacta – desabei – olhei de relance para o espelho, mas não vi o reflexo – desapareci.

MF.

foto: Google

Promessa falida

falha

[você pode ler esse texto ao som de always remember us this way]

Hoje eu quis abandonar velhos hábitos, pensamentos invasores que instigam a ansiedade, a autocrítica que censura projetos promissores, a procrastinação em começar uma nova dieta e a desmotivação de te arrancar do coração;

Depois de Abril fiz um acordo malsucedido com o tempo que prometeu me ajudar a recomeçar, com a condição que eu esquecesse tudo o que vivi contigo; enrolei, disse que pensaria a respeito, mas Junho chegou e sugeriu uma lista de todos os presentes que já pensei em te comprar e mil declarações que eu poderia enviar; me olhei no espelho com a esperança de estar equivocada, ao duvidar que o nosso amor ainda seria possível; esperei que o reflexo me dissesse palavras de incentivo, mas não houve diálogo, só a certeza que minha pele estava sedenta por uma máscara de camomila para se acalmar.

Entrei em novo acordo com o tempo, afirmei não ter o seu número salvo e que nunca procuraria saber como você estava, jurei com os dedos cruzados e muita convicção que tudo era passado, mas o tempo não era bobo e me pediu uma garantia; caso eu quebrasse o combinado, ele faria você me esquecer a ponto de não saber o meu nome. Por um instante considerei a proposta e menti ao dizer que dessa vez não seria uma promessa falida, até assinei um contrato pra formalizar, mas não imaginei que ele levaria nossa conversa tão a sério… paguei pra ver;

Hoje, enquanto tenho todos os seus detalhes desenhados na memória do coração: gestos, cheiro, voz grave e o sorriso que me quebra em mil pedaços, é possível que cruzemos o mesmo caminho sem que você me reconheça; depois de me perder de ti, não ouso mentir para o tempo, mas converso secretamente com o vento pra levar em forma de brisa, todo amor que ainda sinto por ti.

MF.

foto: Google

Lembrete

pra vc

[você pode ler esse texto ao som de sutilmente]

Esse texto é pra você que teve um dia cansativo, que não bateu a meta das vendas, que não fechou aquele negócio importante, que não foi selecionado na entrevista de emprego, que não foi promovido, que não passou na disciplina mais difícil do semestre;

Pra você que tentou e falhou, que prometeu ligar e dormiu, que marcou o encontro e não apareceu, que criou expectativas e se frustrou, que comprou o presente e não entregou, que visualizou a mensagem e não respondeu;

Pra você que decidiu cortar os carboidratos, que se matriculou na academia, que determinou parar de beber, que mudou o corte de cabelo, fez a barba e trocou de apartamento; pra você que fez besteira na noite passada, que jurou nunca mais se apaixonar, que bloqueou o número daquela pessoa pra evitar a rejeição, que aproveitou o eclipse da lua pra esconder o que sente e desejou trocar de coração;

Esse texto é pra você lembrar que alguns dias serão difíceis, mas meu amor continua aqui.

MF.

 

foto: Google